4.1.08

Microconto roubado da página 73 da História do Cerco de Lisboa

Fizeram-no passar para a sala de espera da direcção e ali o deixaram ficar mais de um quarto de hora, o que serve para demonstrar a vanidade de temores que pouco têm de pontuais.

1 comment:

Fábio Babette said...

Microcontos são a essência do que realmente se precisa ler. São assassinos da literatura e dos escritores pedantes. Não sei... algo meio revolucionário...

E gostei do texto sobre a internet... eu nem leio nem respondo mensagens desse tipo, talvez isso seja suficiente para parar de mandarem. Tem diminuído pra mim...